O relatório do Plano de Desenvolvimento Econômico (Pedem), desenvolvido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), foi entregue nesta terça-feira (26) à secretaria de Turismo, Indústria e Comércio de São Joaquim, na Serra Catarinense. O documento mostra, por meio de estudos, a representatividade, empregabilidade e capacidade de crescimento dos diversos setores da economia  do município e dará um norte ao planejamento de ações.

 

O trabalho iniciou em outubro 2017. O Plano apresenta dados que irão contribuir para o desenvolvimento do município de maneira sustentável e a longo prazo. “O importante é que agora temos um documento com informações suficientes e confiáveis para trabalhar independente da administração pública que estará à frente do município”, destaca a secretária Sara Corrêa.

 

O relatório foi feito pelo Sebrae e envolveu não só o poder público, mas contou com a contribuição dos empresários. “O mais importante é a execução. Para isso, contamos com o engajamento da comunidade porque o desenvolvimento do município é uma missão de todos os moradores de São Joaquim”, conclui.

 

Durante oito meses, o Sebrae levantou as principais carências e potencialidades da cidade, estabeleceu visões de futuro para o setor primário, secundário e terciário e criou estratégias para viabilizar as visões de futuro até 2030.

 

“O principal desafio nesse plano é efetivá-lo porque todas as estratégias estão bem evidentes. A agroindústria é bastante forte e o cenário do turismo precisa ser lapidado para que o município aproveite seu potencial e se torne, no futuro, referência no setor em nível nacional”, relata o consultor do Sebrae, Rafael Koeep Soldateli, responsável pelo material.

 

A cidade cresceu 0,4% nos últimos anos. Está abaixo da média estadual que é de 2,4%. O comércio puxa a economia. As micro e pequenas empresas são maioria absoluta em São Joaquim, representam 95% da economia do município. “Apontamos o caminho. É preciso resolver as vulnerabilidades, potencializar o setor agropecuário, fortalecer a indústria e incentivar o desenvolvimento do comércio e turismo. Os indicativos de potencialidades são muito bons. Agora é trabalhar”, finaliza o coordenador do Sebrae, Altenir Agostini.

 

 

Por Catarinas  Comunicação  || Texto e fotos