A causa de um trânsito mais seguro deve ser abraçada por todos os segmentos da sociedade. Neste panorama de remodelação da consciência e cidadania, a Autoescola Top Sul doou um quadriciclo à Coordenação de Segurança Pública e Trânsito, com uso pela Diretoria de Trânsito (Diretran) nas atividades da simulação na pista educativa, cedida a eventos e às escolas desenvolvedoras de trabalhos pertinentes à formação de crianças e adolescentes.

O veículo foi especialmente adquirido pela empresa para ser repassado ao órgão de trânsito e foi entregue na manhã desta segunda-feira (9 de julho), no Terminal Rodoviário Dom Honorato Piazera, onde está localizada a sede administrativa da Diretran. O investimento permeia R$ 1.500. “Como trabalhamos com educação no trânsito, sabemos que o passo inicial para termos um trânsito seguro começa realmente com a educação. Se pudermos auxiliar que as crianças já desde pequenininhas tenham a oportunidade de conhecer e participar desta questão da conscientização, com certeza sua formação futuramente como motorista vai ser muito melhor”, emite a proprietária da Top Sul, Tailine Madruga dos Santos.

Sob o ponto de vista do gerente administrativo-financeiro da Diretran, Ivan Andrade Garcia, a atitude de uma empresa privada significa um incentivo ao trabalho já consolidado e permanente da Diretran em educação ao longo dos anos. “A intenção é estabelecer mais parcerias. Neste momento agradecemos à Autoescola e cada vez mais iremos programar formas de abranger maior número de beneficiados com nossas medidas pelo bem coletivo da cidade, sempre com um foco especial aos estudantes, os motoristas do futuro, sem esquecer do nosso compromisso com os jovens e adultos já experientes. É um trabalho que nunca para. A exemplo da Top Sul, convidamos outras empresas a participarem do programa de educação. Dentro das condições possíveis, a Diretran tem feito investimentos no ensino e exercício da cidadania, não somente em ambientes de trânsito, mas em todos os demais ligados à convivência social.”

Com o incremento dos veículos da pista educativa, chega-se a três carrinhos, segundo a gerente de Educação de Trânsito, Fátima de Souza. “Para reivindicar a pista educativa basta encaminhar-nos um ofício e iremos para onde nos chamarem com o maior carinho e empenho. Os alunos ainda não são condutores, algo que vai demorar, mas enquanto pedestres e passageiros, devem sim já ter estas noções. As crianças são a nossa aposta porque vão chegar em casa e repreender os pais na hora de circular, vão chamar a atenção sobre furar o sinal vermelho, sobre não usar o cinto.”

Fotos: Marcelo Pakinha - Texto: Ascom/PML