Pela primeira vez na grade de cursos ofertados pelo Programa Qualifica Mais Lages, sem custos à comunidade, a qualificação para cuidadores de idosos deverá contribuir no incremento à qualidade das capacidades dos profissionais que inclinam a este tipo de atividade. As aulas desta capacitação começaram na manhã desta segunda-feira (16 de julho) para 25 mulheres em sua unanimidade, seguindo as segundas, quartas e sextas-feiras, duração de três horas no período matutino (entre 8h30 e 11h30) e total de nove horas/aula de carga, com o comando da instrutora Wanderléia Gonçalves (Teka), professora há 18 anos.

O material didático elaborado pela própria instrutora foi cedido aos alunos gratuitamente. Ao final, os participantes receberão seu certificado. Os principais tópicos são como cuidar da pessoa idosa ativa e acamada, saúde, higiene, alimentação, lazer e cultura, além de oferecer orientações. Consiste em um curso livre, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases nº: 9.394/96.

O cuidador não pode administrar medicamentos ao paciente, a exemplo dos orais (comprimidos e cápsulas de uso contínuo para combater hipertensão, diabetes ou vitaminas e suplementos, entre outras motivações), a não ser que haja prescrição médica, com ciência e autorização da família. O profissional irá verificar o horário dos remédios, avisar o paciente, cuidar da sua rotina, acompanhar em passeios, viagens e consultas médicas e com odontólogo, observar comportamento, relatar aos familiares sobre necessidades do idoso, auxiliar na alimentação, na assiduidade.

Por outro lado, o cuidador não pode realizar o serviço de técnico em enfermagem, enfermeiro ou de auxiliar, mas estará apto a dar assistência, irá zelar e proteger o idoso, com ênfase à prevenção. Medicações intravenosas, subcutâneas ou intramusculares exigem um técnico de enfermagem especializado e habilitado, ao qual cabe esta atividade.

O envelhecimento da população tem sido tema recorrente das discussões de órgãos correlatos, como de Saúde e Assistência Social. No Brasil são mais de 23 milhões de idosos (a partir de 60 anos de idade) com perspectiva de chegar a 35 milhões em menos de 20 anos.

Fotos: Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo