O Brasil está vivenciando momentos turbulentos e decisivos nos âmbitos da economia, empregabilidade e política, em que situações diversificadas estão sendo passadas a limpo, escrevendo-se novas páginas na história do país na demarcação do futuro da nação. E para assimilar o quadro mais próximo ao seu contexto de vida, 22 alunos com idade entre 13 e 16 anos, do 8º ano do ensino fundamental da Escola de Educação Básica (E.E.B.) Vidal Ramos, conferiram, na manhã desta quarta-feira (22 de agosto), informações junto ao principal responsável pelo comando da estrutura gigantesca da prefeitura de Lages, o instrumento de serviços públicos mais visado e cobrado pela população. Justamente por ser a mola propulsora da qualidade na prestação de ponta à ponta: a saúde à educação, da infraestrutura à defesa do consumidor, da limpeza de ruas ao paisagismo, da água à habitação, do trânsito à cultura, da fiscalização à arrecadação de receitas.

São 74 bairros e loteamentos (800 quilômetros) e em torno de 30 localidades rurais com mais de 1.500 quilômetros em Lages. Na prefeitura, quase cinco mil funcionários para dar conta à altura. Inúmeras engrenagens são elencadas para cuidar da cidade, são dez secretarias e mais cinco coordenadorias e fundações, e o Procon. Na Educação são 130 unidades (Ceims, Emebs e Itinerante) com 16 mil alunos. Na Saúde, 27 Unidades Básicas (UBSs), fora centenas de veículos e maquinários de manutenção e obras novas.

O prefeito Antonio Ceron recebeu os adolescentes que saíram dos bancos da escola para mergulhar no conhecimento de algo que está diretamente ligado ao seu dia a dia, mas até então estava distante. Fez uma breve explanação sobre a instrumentalização da prefeitura e respondeu perguntas das professoras e dos alunos. Ceron explicou as deficiências financeiras, compatíveis ao cenário do restante do país, em que a crise freou o consumo, respingando seriamente na produção da indústria, no comércio e prestação de serviços, e provocou a queda brusca na entrada de tributos aos cofres públicos.

Orçamento apertado

Em Lages, o orçamento é de cerca de R$ 40 milhões mensais para serem aplicados em saúde, educação, conservação de ruas, avenidas e estradas rurais, limpeza, entre demais necessidades básicas. “É uma verdadeira máquina para atender à população, como ocorre com os gestores nos 5.570 municípios dos 27 Estados. Quando eu cheguei à prefeitura percebi que há divergências entre o que se imagina fazer e o que se tem para investir. São R$ 550 milhões ao ano, mas as demandas crescentes. E se a economia não vai bem, atrapalha todo mundo, desde dentro de casa, quando alguém perde o emprego na família e as despesas são ajustadas, a começar com cortes pelo supérfluo, e a dignidade seja preservada. Nos últimos seis meses há um esperneio geral”, justifica Ceron. A greve dos caminhoneiros, entre final de maio e início de junho deste ano, impactou em R$ 2 milhões ao mês na queda da arrecadação em Lages.

O prefeito exemplificou o impasse de Lages possuir dois terços dos bairros sem nenhum tipo de pavimentação nas vias, e recorda que suas prioridades são as crianças, mulheres e idosos. Ressaltou a relevância do ineditismo na criação da Secretaria de Política para a Mulher, Programa Lages Melhor (aulas de arte e cultura nos bairros), respeito ao trabalho do Observatório Social, Centro Administrativo municipal, obras da UPA e do Mercado Público, abertura das propostas da revitalização do Centro em 10 de setembro. Os recursos são direcionados de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sendo que a Educação deve ser alvo de investimentos no limite mínimo de 25% e está em primeiro lugar no contingente de servidores (dois mil) devido a sua complexidade, seguida pela Saúde (15%), que inclusive é polo de atendimento para a região serrana, seguida pela Assistência Social e Habitação no número de colaboradores.

Outras premissas lembradas pelo chefe do Poder Executivo são a apreciação, votação e aprovação das ações por parte da Câmara de Vereadores, de acordo com o colegiado de 16 legisladores. “Na iniciativa privada somente não se faz o que a lei proíbe, e na pública só se faz o que a lei permite. Todas as decisões são embasadas nas disposições legais.” Os canais de comunicação com a prefeitura são a Ouvidoria (0800 645 2999, 3221-1261, e-mail ouvidoria@lages.sc.gov.br ou pelo link da Ouvidoria no site www.lages.sc.gov.br) e Facebook - @prefeituradelages.

Os governantes de amanhã

A professora de Ciências, Renata Schimila, é idealizadora e coordenadora do projeto de pesquisa-ação da sua pós-graduação em Desenvolvimento Regional, da Uniplac, intitulado “O Estudo da Ética e da Cidadania no Combate à Corrupção”. A execução do projeto começou em fevereiro deste ano e abrange os 28 alunos da turma do 8º ano. A ideia é atender toda a escola, com 340 alunos, do 1º ao 9º ano.

As visitas foram feitas na Câmara de Vereadores, Observatório Social e Alesc. Depois da prefeitura, será agendada a ida dos alunos ao Fórum Nereu Ramos, fechando o ciclo nos três poderes. Além das abordagens in loco, foram desenvolvidos dois seminários e distribuídos encartes, uma produção governamental, sobre corrupção, impostos, ética e cidadania. O trabalho será selado com uma devolutiva através de documentário a ser postado nas redes sociais. A Escola Vidal Ramos possui 32 funcionários, sendo 26 professores, um estagiário e cinco profissionais do administrativo. Esta situada na rua Professor Teobaldo Delwing, 220, Centro.

Fotos: Greik Pacheco - Texto: Ascom/PML