Não vou fazer apologia a este ou àquele candidato(a) à Presidência. Até por que, a esta altura do campeonato, boa parte das pessoas  já decidiu ou está prestes a decidir seu voto. E, seja quem for o(a) escolhido(a), a partir de 01 de janeiro de 2019 vai assumir o Governo. E esse "escolhido(a)" governará para seus eleitores. E para todos aqueles que votaram em outros  candidatos. E também para quem não foi votar ou não vota (provavelmente o número de votos que o novo Presidente fará será bem menor do que todos os outros cidadãos e cidadãs somados).  

De minha parte, coloco  uma série de problemas que vejo hoje no Brasil que tanto amo e que gostaria de ver resolvidos (ou pelo menos bastante amenizados nos próximos anos):

1) Temos hoje quase 14 milhões de desempregados (pessoas que não tem renda - e que por isso consomem muito pouco, à custa de ajuda de familiares, seguro-desemprego, bolsa família ou de "bicos");

2) Temos 37 milhões de  pessoas vivendo na economia informal (gente que não contribui para a Previdência e nem gera imposto algum - se viram como podem). O número de  pessoas  que tem um trabalho formal é menor do que esse. Chega a 33,6 milhões. Que futuro terá um país destes se milhões não ingressarem na economia formal? O Fantástico de ontem à noite informou que são pelo menos 500 mil brasileiros fazendo bicos nas cidades vendendo "quentinhas" (há dois anos esse número era de 79 mil). 

3) No ano passado, morreram no Brasil mais de 63 mil pessoas vítimas de violência (tiros, facadas, homicídios dos mais diversos tipos - a maior parte em disputas entre facções e/ou em confrontos entre a  Polícia e o Crime Organizado). Isso é quase o dobro do número de pessoas que morrem em acidentes de  trânsito - algo em torno de 40 mil  por ano;

4) Enquanto dizem que a inflação está baixa (deve ser em função do baixíssimo consumo), alguns preços estão na estratosfera. Exemplos: gasolina, óleo diesel, etanol, gás de cozinha, energia elétrica....

5) Uma parte da nossa Justiça (leia-se, Judiciário) - nas mais diversas esferas -  está partidarizado. Se isso não é verdade, por que até hoje não se colocou ninguém ou quase ninguém na cadeia do PSDB? Lá no STF, inclusive, temos um dos 11 ministros que toda semana manda soltar bandidos da mais alta "patente" da cadeia. 

6) A corrupção parece fazer parte da regra. E não da exceção. E envolve grande número de políticos (de praticamente todas as  esferas e partidos) e empresários (é o famoso "jeitinho brasileiro" para quem tem acesso aos cofres públicos). 

7) Enquanto a maioria da população ganha mal e porcamente - ou vive as privações do desemprego e do subemprego - alguns "marajás" (principalmente políticos de alto escalão e o Judiciário), ganham altos salários (pagos com os impostos de todos). E inclusive ganham o famigerado "auxílio moradia", "auxílio alimentação", "auxílio creche", "planos de saúde privados" e até "auxílio paletó", pasmem os senhores!!!!

8) Nosso nível de educação, alfabetização, escolarização e aprendizagem são ridículos. No Ensino Fundamental e Médio, com raras exceções, aprende-se muito pouco nas nossas escolas públicas. Isso em boa parte é fruto  dos péssimos salários que recebem nossos professores (profissionais que em países como Japão, Estados Unidos e Alemanha são muito bem valorizados e ganham ótimos salários). 

9) A Saúde Pública básica não funciona. Temos filas enormes nos hospitais e no atendimento especializado. Embora em questões mais complexas, como nos transplantes de órgãos, sejamos referência mundial, assim como no tratamento da Aids, por exemplo. 

10) Os nossos presídios estão abarrotados de gente, muitos ainda sem o devido julgamento. O que se vê na maioria das  penitenciárias e cadeias é um verdadeiro amontoado de moribundos, gente que é forçado a viver em péssimas condições, lugares onde jamais ou dificilmente alguém vai se recuperar  para retornar ao convívio da sociedade. 

11) Nossa infraestrutura de transportes é extremamente deficitária. Grande parte de nossas rodovias está intransitável, são inseguras. Em função disso, o transporte é muito oneroso. Estamos engatinhando ainda em  transportes por ferrovias e  por hidrovias. E nosso sistema de transporte aéreo doméstico ainda é caro e deficitário. 

12) Pagamos uma carga muito elevada de impostos no Brasil (cerca de 38% do nosso PIB). E não temos como retorno  uma boa saúde, educação, transportes e segurança pública. Nos  outros países, paga-se até um pouco mais de impostos do que no Brasil. Mas lá tudo funciona. E o cidadão gasta muito menos  porque tem esses serviços básicos custeados pelo Estado e de boa qualidade. 

Há muitos outros problemas. Mas por hora, fico por aqui.

O que eu queria é um Brasil mais justo, democrático, uma sociedade que não se conformasse com esse tipo de situações.  Que tivesse mais coragem de sair às ruas para protestar por melhorias em todas essas questões, que não tolerasse mais a ladroagem e a sem vergonhice, que se unisse e lutasse de verdade  pelo seu País. E que pudesse fazer tudo isso de uma forma DEMOCRÁTICA e RESPEITOSA, sem querer crucificar, matar ou desejar o mal a quem pensa  diferente. Hoje, o que se vê é um país dividido, cheio de ódio  em função da política. E sabemos todos que há bons e ruins em ambos os lados. 

Eu ainda sonho com um Brasil grande, forte e que encha todos nós de orgulho e de confiança no futuro. 

Agora eu pergunto: Quem entre todos esses candidatos(as) à Presidência terá melhores condições de nos tirar desta situação? Eu já fiz as minhas escolhas. Agora decida você. Seu VOTO VALE OURO. 

Loreno Siega - Revista Visão