Em Lages, a Polícia Militar de Santa Catarina realiza um treinamento inédito que visa a restauração e manutenção da ordem pública no caso de manifestações populares, a análise e solução de problemas de segurança pública e a atuação aglomerações em grandes eventos. Na sexta-feira (21), os 35 PMS participantes do curso fizeram uma simulação de movimento social com a colaboração de 50 soldados do 10º Batalhão de Engenharia e Construção de Lages.

Os policiais viveram duas circunstâncias. Na primeira, tiveram êxito em um trabalho coordenado para garantir a liberdade de expressão e os direitos constitucionais dos movimentos sociais. Para assegurar o direito de ir e vir das pessoas, a Polícia Militar precisou fazer a retirada dos manifestantes da via principal e realocá-los para uma via de menor circulação.

 

A segunda situação foi diferente e nada harmônica. Os manifestantes se rebelaram, criaram conflitos, complicaram a situação e desobedeceram as instruções da polícia para desobstrução das vias públicas. Os ânimos ficaram acirrados e a PM precisou utilizar formações de controle de distúrbios civis, com escudeiros a frente para conter o protesto.

Frutas e objetos foram jogados contra a PM, sendo que após a radicalização dos manifestantes, desobedecendo as orientações para assegurar o direito de ir e vir e a proteção de patrimônios públicos e privados, os policiais foram obrigados a abrir confronto e proceder a retirada à força do local. “A ideia é aproximar esses policiais da realidade para que em caso de desordem pública em um grande evento saibam rapidamente como proceder utilizando as técnicas repassadas”, explica instrutor do curso, Tenente Felipe Oppenheimer, do Grupamento de Choque da PMSC.

Catarinas Comunicação