Ensinar para as crianças desde cedo as regras do trânsito é uma questão de cidadania e segurança. O pequeno Victor Rafael Lima, de 10 anos, sabe bem as regras para pedestres e, no futuro, acredita que será um motorista bem consciente. “É só ficar atento à sinalização, respeitar os limites de velocidade. Os pedestres devem sempre atravessar na faixa”, explica.

 

Essas informações Victor aprendeu junto com outros 25 estudantes do quarto ano da Escola de Educação Básica Zulmira Auta da Silva na Escolinha de Trânsito do 6º Batalhão de Polícia Militar, em Lages, reativada recentemente. A ideia é trabalhar a educação das crianças para o trânsito de maneira lúdica.

 

A escolinha se tornou realidade por meio de um projeto apresentado pelo 6º BPM ao Fundo da Infância e Adolescência (FIA) na cidade. O chefe do setor de trânsito, sargento Jhonatan Branco, conta que com a verba recebida foi possível montar uma pista móvel com cones, placas de sinalização e carrinhos. Além disso, o comandante da 2ª Região, tenente-coronel Moacir Gomes Ribeiro, intermediou com uma empresa de Brusque a doação de cinco carrinhos que serão utilizados na simulação de uma via urbana.

 

A partir de agora, uma vez por semana, crianças com idade entre 10 e 11 anos, de escolas públicas e particulares de Lages, terão a oportunidade de passar uma tarde no batalhão aprendendo como devem se comportar no trânsito. O comandante do 6º BPM, tenente-coronel Alfredo Nogueira, destaca que a questões relacionadas ao trânsito devem ser trabalhadas com as crianças desde pequenas.

 

“A Polícia Militar desempenha inúmeras atividades de prevenção com crianças e adolescentes. A Escolinha de Trânsito será o primeiro contato desses alunos com a PM. No ano que vem, quando estiverem no 5º ano, eles vão participar do Proerd e a interação com os policiais será mais natural”.

 

Entre os países com maior número de mortes por acidentes de trânsito

Dados do Ministério da Saúde mostram que o trânsito é a principal causa de óbitos de crianças por acidentes, no Brasil. A maioria, 38%, morre vítima de atropelamento. O país ocupa o 5º lugar no ranking mundial de mortes por acidentes de trânsito da Organização Mundial de Saúde.

 

Por Catarinas Comunicação texto e fotos