A 66ª edição dos Jogos Universitários Brasileiros mantém a tradição da oferta de esporte de alto rendimento. Nessa edição, uma das principais atletas que estão na disputa é Amanda Lyssa, a Amandinha, que nas últimas quatro temporadas foi escolhida como melhor jogadora de futsal do mundo e que pela primeira vez participa dos JUBs.

Amandinha, da UNIPLAC, de Lages (SC), se destaca pela liderança dentro e fora de quadra. No trajeto do hotel até o ginásio Chico Neto – para a estreia contra o CENESUP (PB) na manhã desta terça-feira - que preferiram fazer a pé, para entrar em aquecimento e conhecer parte de Maringá, ela que comandava as ações sobre o trajeto com o celular na mão e guiando as companheiras sobre o caminho. É a segunda vez que Amandinha vem a Maringá. Em 2010, ela participou do Brasileiro Escolar. "A estrutura é maravilhosa. Eu acho Maringá linda e ainda bem que eu voltei aqui". Grande referência da equipe, foi dela o primeiro e terceiro gol do torneio de futsal feminino, na vitória, por 5 a 0, comandando as principais ações de ataque.

Cearense, nascida em Fortaleza, saiu de casa cedo, aos 15 anos rumo à Santa Catarina para trilhar o caminho do esporte, mas também para ter a oportunidade de se formar, algo que frisa como essencial. Na UNIPLAC, ela cursa fisioterapia, incentivada pelo pai e pela relação que criou com a profissão. “Eu vivi muitos momentos com esses profissionais. Eles são sensacionais e espero um dia retribuir o que fizeram por mim. Às vezes era quase impossível jogar uma partida e eu estava lá, devido a fisioterapia”, conta Amandinha, que pretende seguir a carreira na área desportiva.

A junção educação e esporte fez com que pela primeira vez dispute uma edição de JUBs, colocando a instituição que representa pela como estreante no torneio de futsal feminino. “A CBDU é uma das melhores instituições que têm no nosso país, pois a organização é incrível. Quando começamos o ano, as competições certas que a gente tem são da confederação. Isso para nós é motivo de orgulho, de ter uma instituição como essa, valorizando todo tipo de esporte, sem diferença. O futsal masculino é a mesma coisa que o futsal feminino, assim como em todos os outros esportes. Isso é bem legal”, ela que por cinco vezes foi campeã da LDU.

Por falar em títulos, são muitos, que ela nem mesmo consegue ter um número exato de taças e medalhas que possui. São três títulos da Libertadores da América, sendo duas pelo Barateiro Futsal (Brusque) e uma com o Leoas da Serra, vencida esse ano. O atual clube e a UNIPLAC possuem uma parceria, sendo que todo o time das Leoas compõe a equipe universitária, incluindo a comissão técnica, como Esquerda – poucos o reconhecem pelo nome Alexandre Menezes –, o treinador da equipe. Ele convive com Amandinha há mais de dez anos, desde que ela mudou de estado. “É uma pessoa maravilhosa. Ajuda muito o grupo. É uma menina que é muito fácil de trabalhar. Cada vez mais está evoluindo. Sabe que é a melhor do mundo, mas a cada ano nós vemos a evolução dela. É muito gratificante estar com ela”, diz o treinador que conta, também, com mais destaques, como Diana e Tampa, integrantes da seleção nacional adulta, além de atletas com passagem pela categoria sub-20 do Brasil.

Entre 2014 e 2017, nenhuma outra mulher jogou tanto futsal quanto ela. São quatro títulos de Melhor do Mundo consecutivamente. As conquistas individuais, segundo ela, deram uma responsabilidade imensa que com o passar dos anos foi assimilada e atualmente é vista com melhor naturalidade pela jogadora. “Se for parar para pensar, as pessoas esperam muito de mim. O que gosto desse título é poder representar meu esporte. Eu sou isso, uma referência e a responsabilidade 'quadriplicou', pois quando as pessoas vão me assistir, sempre tem aquela cobrança a mais. Elas não vão esperar que esteja em um dia ruim, mas quando a gente tem uma 'cruz' é para carregar”, conta sorridente.

O que mais a encanta com esse título é pela representação que agora tem. Ela serve como referência para muitas meninas que sonham em chegar a esse patamar. Em Lages, além do esporte de alto rendimento, todas as atletas dão aula nas escolinhas de futsal, o que a aproxima das crianças, junto com as centenas de mensagens que recebe pelas redes sociais. “Jamais esperaria, que um dia eu poderia inspirar tantas meninas que querem chegar ao esporte. Às vezes eu nem acredito que eu posso ser inspiração para as pessoas, mas quando leio ou vejo algo é emocionante. As pessoas, hoje, se sentem muito distantes dos seus ídolos, então procuro sempre dar atenção, mostrando a realidade do futsal feminino e da minha vida”.

Os JUBs 2018 são uma realização da CBDU, em parceria com a Secretaria de Esportes e Lazer da Prefeitura Municipal de Maringá e da Federação Paranaense de Desportos Universitários (FPDU). Patrocínio CBDU: Correios. Apoio CBDU: Gympass e SuperBolla.  Parceria Institucional: Ministério do Esporte, Comitê Olímpico Brasileiro e Comitê Paralímpico Brasileiro.

 

 Felipe Augusto - Assessoria de Imprensa da CBDU - Fotos: Arquivo RV