Uma ótima notícia para os pacientes que aguardam na fila para serem atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na especialidade de oftalmologia. Inicia nesta sexta-feira (7 de dezembro) um novo mutirão para consultas e exames, realizado pela Secretaria Municipal da Saúde. O atendimento segue até o dia 19 de dezembro no segundo andar da Policlínica, sendo realizado inclusive nos sábados e domingos.

Segundo o Diretor de Atenção Especializada, Cezar Espanhol, a estimativa é de que sejam realizadas cerca de 170 consultas por dia, totalizando duas mil em dezembro. O atendimento voltará na segunda quinzena de janeiro, com expectativa de atender mais quatro mil pacientes. “Serão seis mil pacientes atendidos, um marco para nossa cidade. Estávamos há mais de dez anos sem conseguir zerar a fila para a oftalmologia, pois a fila é sempre muito grande”, comenta Cezar.

Exames e procedimentos de alta complexidade e casos que dependem de cirurgias, como as da catarata, serão encaminhados ao Hospital São Francisco de Assis, na cidade de Santo Amaro da Imperatriz, na grande Florianópolis.

Para este mutirão uma equipe técnica, composta por médicos e enfermeiros, está sendo trazida de Santo Amaro para atender em Lages e assim facilitar o procedimento. “A especialidade de oftalmologia é a nossa maior demanda, com média de mil pessoas por mês esperando por atendimento, e a nossa equipe não está dando conta de atender a todos, por isso a iniciativa de trazer médicos de fora”, afirma a secretária da Saúde, Odila Waldrich.

A orientação aos pacientes que aguardam por consultas oftalmológicas, é que atualizem seus cadastros com endereço e número de telefone nas Unidades Básicas de Saúde, pois o chamamento primeiramente está sendo feito através de ligações.

Fila zerada duas vezes

Este ano a Secretaria Municipal da Saúde conseguiu grandes avanços na oftalmologia. A fila para a cirurgia da catarata foi zerada duas vezes em 2018. Outro procedimento oftalmológico com grande procura é a cirurgia de ptirígio, que desde 2012 não era feita, e somente neste ano foram realizadas mais de 300 correções. “Esta foi uma grande evolução, pois atualmente os pacientes ficam no máximo 30 dias de espera, o que para nós nem é considerado, em comparação aos anos anteriores”, comenta Odila.

A secretária atribui esses avanços à melhor organização e melhorias na gestão interna do setor.  Uma novidade para este ano foi a implantação da Diretoria de Controle, Avaliação, Auditoria e Tecnologia da Informação. Foi criada com o objetivo de unificar os serviços dos diversos setores e coordenações. “Essa diretoria é o coração da Secretaria da Saúde, contribuindo muito para as melhorias no atendimento à população”, afirma a secretária Odila.

Diariamente é feita uma busca e relacionados todos os pacientes que se encontram em filas, seja de cirurgias, exames ou consultas especializadas, e direciona-os para o procedimento. Também realiza auditorias nos hospitais e clínicas que possuem demanda pelo SUS, através da Secretaria da Saúde, organiza convênios e contratos. Também é responsável por buscar recursos e encontrar formas de melhorar o atendimento.

Alívio após cinco anos de espera

Dona Rosenilda Terezinha Pereira, 61 anos, é moradora do bairro Tributo. Ela passou cinco anos em uma linha tênue entre continuar a ver o mundo em cores, ou perder sua visão. Ficou na lista de espera da Secretaria da Saúde, e finalmente foi chamada em outubro para fazer a cirurgia da catarata, durante um dos mutirões deste ano. “Fui muito bem atendida, a equipe bastante atenciosa me acompanhou até Santo Amaro e voltei de lá muito bem, pois já estou recuperada”, conta.

Esta foi a segunda vez que ela precisou ser submetida à cirurgia. Há aproximadamente 30 anos ela começou a notar dificuldades para enxergar, tudo ficava embaçado e as cores desbotadas. Então teve o diagnóstico da doença e conseguiu realizar o procedimento, também pelo SUS.

O que ela não contava é que a catarata voltaria e seria tudo outra vez. “Lembro que fiquei muito tempo na fila, e já estava perdendo a esperança. Mas neste ano, quando me ligaram para dizer que fariam a cirurgia, estava na casa da minha filha, em Araquari. Cheguei a chorar porque pensei que perderia o meu lugar na fila e ficaria sem a cirurgia. Mas a equipe, sempre muito atenciosa, esperou eu conseguir voltar e me encaminharam”, conta dona Terezinha.

Ela ficou feliz em saber do novo mutirão para consultas e exames com oftalmologistas, pois alguns familiares também estão na fila. “Agora tudo é muito mais rápido, antes a gente esperava anos até ser chamado”, diz.

Texto: Aline Tives - Fotos: Toninho Vieira Arquivo