Papai Noel não é necessariamente aquele senhor de barbas brancas, barriga grande e roupas vermelhas. Ele pode ser qualquer pessoa que tenha amor ao próximo. Inclusive, pode vestir uma farda militar. E por trás daquele policial armado que corre atrás de bandido para proteger os cidadãos de bem, existe o espírito solidário do Bom Velhinho.

O sentimento de dever cumprido, associado ao ir além, é impagável. Que digam os integrantes da Rede Rural da Segurança, do 6º Batalhão da Polícia Militar de Santa Catarina. Ao patrulhar diariamente os 2,6 mil quilômetros quadrados de Lages, maior município em extensão rural no Estado, eles criaram laços de amizade com os moradores do campo, dentre os quais, os estudantes e professores do interior, além dos motoristas que os transportam. E isso gerou um sentimento muito mais humano que profissional.

"Nas nossas rondas, vemos muitos deles percorrendo longas distâncias em direção às escolas, e isso nos comove. Por isso, decidimos fazer algo a mais por eles", diz o sargento Laureci de Oliveira.

Com dinheiro do próprio bolso, os policiais compraram balas, pirulitos, chocolates e outras gostosuras e confeccionaram, eles mesmos, 235 cestas de Natal. Os presentes, singelos mas de muito valor, começaram a ser entregues no fim de novembro. E até a próxima sexta (14), todas as 36 localidades atendidas pela Rede Rural de Segurança em Lages serão contempladas com a ação voluntária. Nesta terça-feira (12) foi a vez de Rancho de Tábuas.

"O nosso programa existe para aproximar a comunidade da PM, e vice-versa. Fazemos o nosso trabalho, mas não há nada mais gratificante que ver o sorriso das crianças ao receberem as cestas", conclui o sargento Laureci.

O valor monetário das cestas pode até não chamar a atenção, mas a relevância das ações é imensurável. A professora Diovana Assoni, diretora auxiliar da Escola Maria Alice Wolff de Souza, trabalha há 15 anos no local e nunca viu nada parecido.

"É a primeira vez que recebemos esse tipo de ação. Estamos muito felizes, pois nos sentimos valorizados. Muitos alunos do interior têm dificuldades até mesmo de ir à cidade, e para alguns, este será o único presente de Natal".

"Os policiais da Rede Rural garantiram mais segurança para nós. E agora, não bastasse isso, ainda trouxeram presentes de Natal para os nossos filhos. Foi uma iniciativa muito bonita", elogia Angela Maria Antunes, mãe do aluno João Vitor, de 13 anos e que, por coincidência, destino ou inspiração, sonha em ser policial.

Texto e Fotos: Catarinas Comunicação