Mais de mil professores da rede municipal de ensino participaram de evento alusivo à abertura do ano letivo 2019, realizado no Cine Marrocos, na manhã desta terça-feira (5 de fevereiro), pela Secretaria Municipal de Educação. O reinício das aulas acontecerá nesta quarta-feira, 6 de fevereiro. O evento teve a participação do vice-prefeito, Juliano Polese, vereadores e de dirigentes educacionais.

O tema do evento, que teve como palestrante a socióloga e educadora, Lourdes Atié, foi “Eu Escolhi ser Professor! Escolhi Transformar!”. Para a secretária da Educação, Ivana Michaltchuk, esta frase resume todo o desafio que os professores terão neste ano, e para tanto, segundo disse ela, a “transformação que esperamos começa dentro de cada um de nós”.

Ivana falou basicamente sobre habilidades inerentes à missão do professor junto à comunidade escolar, em sala de aula, reforçando o que transmite a expressiva mensagem contida na “Carta da Escola”, lida no início da abertura do evento. A secretária não deixou, porém, de citar outros desafios: Oferecer maior número de vagas na educação infantil, atendendo a crescente demanda, bem como as melhorias gerais na infraestrutura das escolas.

Segundo explica Ivana, vários questionamentos são impostos aos educadores, como este: “O que me move ser professor? Questões fundamentais que instigam à reflexão e à interação”, na promoção de verdadeira transformação no mundo escolar e, desta forma, transformar a sociedade através da Educação.

Lourdes Atié, que pelo segundo ano consecutivo se dirigiu a Lages para palestrar, elogiou a escolha do tema do evento de abertura do ano letivo 2019. “Esta frase tem poder, e quero dizer que vocês têm poder.” Destacou que a Educação mais potente é a Municipal, por estar mais próxima das realidades sociais.

Empoderamento para transformar

Para Lourdes Atié, o empoderamento dos professores irá transformar se todos os educadores do Brasil, a partir de Lages, falassem a frase “Eu escolhi ser Professor! Escolhi Transformar! O Brasil com certeza seria um mundo mais racional e melhor de se viver.”

A especialista ressaltou, ainda, que “vivemos em um século urbano, imprevisível. A transformação se aprende na escola”. Como exemplo desta mudança, ela citou o paradigma “cidade com ruas exclusivas para carros”, ou seja, uma cidade como caos urbano, ou como espaço de convivência mais tranquila e interativa entre as pessoas, os cidadãos.

Na visão de Atié, “o mundo está cada vez mais complexo”, destacando neste universo o papel de novas tecnologias, sendo que nem todas facilitam a vida das pessoas. “Hoje temos tornezeleiras eletrônicas que se chamam smartphones. A cada dois minutos voltamos nossos olhos para o celular”, constata.

Para a educadora, é preciso se sobrepor a condicionamentos que levam à escravidão das ações humanas. Diante disto é preciso transformar, educar, interagir e a missão do professor está inserida neste grande desafio socioeducativo.

Texto: Iran Rosa de Moraes - Fotos: Marcelo Pakinha