O consumo de energia no Brasil é um desafio enfrentado há anos, surgindo então a necessidade de políticas públicas que incentivem o uso de energia renovável. Visando o futuro e a qualidade de vida do cidadão, o deputado estadual Marcius Machado (PR) indicou em sessão ordinária nesta terça-feira (02), que os hospitais e outros órgãos públicos utilizem essa energia.

Com a energia elétrica solar fotovoltaica os hospitais públicos e filantrópicos bem como os demais prédios da administração pública terão mais disponibilidade de recursos, contribuindo com o meio ambiente e reduzindo os gastos com o consumo de energia não renovável.

Os hospitais, hoje, são grandes consumidores de energia e, além disso, possuem outros custos operacionais. O deputado argumenta que novas medidas de economia e cuidado com o meio ambiente devem ser vistas como urgentes.

“A eletricidade é a base de todos os serviços. Com a energia solar em hospitais e prédios públicos é possível trazer um grande alívio para as finanças. Hoje, sabemos que o custo das placas fotovoltaicas é alto, mas que sua durabilidade chega a 30 anos. Vários estudos já comprovaram que elas se pagam de médio a longo prazo.”, explica.

Outro ponto positivo é o alívio na fatura. Em 2012, a fim de evitar mais taxas, a Resolução nº 482 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), passou a permitir o abatimento na fatura de energia por fontes renováveis.

Esse estímulo fiscal é justamente para que os hospitais por meio da Lei Federal nº 13.203/2015 optem por um sistema de energia diferenciado. “A partir da Lei, a ANEEL é obrigada a conceder descontos de, no mínimo 50%, às tarifas dos hospitais, então os recursos gastos com energia podem ser usados de outra maneira”, finaliza.

O Hospital Pró-Cardíaco, no Rio de Janeiro foi o primeiro a implantar a energia fotovoltaica e supre até 50% da eletricidade necessária para sua manutenção.

Mirella Guedes  - Foto: Solon Soares - Agência AL / Banco de imagens