Maior produtor de grãos e segundo maior produtor de florestas cultivadas da Serra Catarinense, Campo Belo do Sul revelará dias 26 e 27 de abril, na 2ª Expofeira Multissetorial, todos os números da agropecuária local, tendências e tecnologias que fazem do município, modelo para o Brasil em diversas áreas produtivas.

Foi o que revelou na manhã desta quarta-feira (10), em entrevista coletiva na sede da Amures, o prefeito José Tadeu Martins de Oliveira. Ao lado do presidente do Sindicato Rural Luiz Carlos de Moraes e do coordenador da Expofeira Dauri Fernandes, eles estimam movimentar mais de R$ 5 milhões em dois dias, no evento terá como uma das novidades este ano, as parcerias agrotecnológicas.

“As tecnologias que serão apresentadas na Expofeira mostrarão que o nível de produção vem melhorando muito e isso reflete na arrecadação econômica do produtor e do município”, afirmou Luiz Carlos de Moraes. Em parcerias com o Orion Parque de Lages, a agropecuária de Campo Belo do Sul vem aperfeiçoando e desenvolvendo tecnologias que tendem a ganhar o mercado nacional e internacional.

Segundo o prefeito, só a Feira do Terneiro e da Terneira já justificaria a realização do evento. “Ano passado a Feira do Terneiro e da Terneira movimentou mais de R$ 1 milhão e a Expofeira é na verdade, a evolução da feira. Hoje somos um dos poucos municípios do Brasil, que produz e exporta sementes de soja e isso requer alta qualidade e tecnologia”, citou José Tadeu de Oliveira.

Durante a coletiva, se revelou que o agronegócio responde por 71,2% do movimento econômico de Campo Belo do Sul. Só a comercialização entre produtores e vendas diretas à indústria em 2018, gerou R$ 91.6 milhões em negócios. Já o setor madeireiro junto com a fruticultura e mais a movimentação de cooperativas injetou na economia local R$ 68.8 milhões, segundo dados da assessoria do Movimento Econômico da Amures.

Dauri Fernandes destacou que a Expofeira tem grandes desafios. “É um evento voltado ao empreendedorismo e busca aproximar os setores produtivos como madeireiro, pecuária, agricultura e fruticultura. Somos 17 voluntários trabalhando para o evento, que é uma vitrine de oportunidade de negócios dos produtores”, comentou Dauri Fernandes.

Atrações da Expofeira

Dono do quinto maior PIB da Serra Catarinense, Campo Belo do Sul tem excelência não só na produção de grãos e carne, mas especialmente de madeira. E isso tudo estará à mostra na Expofeira Multissetorial.

O evento contemplará atrativos como Exposição de Máquinas e Implementos Florestais; Campo Demonstrativo; Feira de Pequenos Animais; Unidade Demonstrativa da Epagri: Noite de Campo; Exposição de Carros Antigos; Exposição de Máquinas e Implementos Agrícolas e dentre outros, Feira do Terneiro e da Terneira.

A princípio os organizadores esperaram reunir 700 animais para feira. Mas o grande volume de exportações para países árabes e vendas para confinamento à grandes frigoríficos, fez reduzir a oferta de terneiros machos. “O preço dessas vendas foi muito bom. Mesmo assim reunimos cerca de 500 animais entre machos e fêmeas”, revelou Luiz de Moraes.

 

Números da Agropecuária de Campo Belo do Sul

Soja

Área: 9.500 hectares.

Produção: 570.000 sacas.

Milho

Área: 4.500 hectares.

Produção 770.000 sacas.

Feijão

Área: 1.000 hectares

Produção: 40.000 sacas.

Trigo

Área: 350 hectares.

Produção: 21.000 sacas.

Pastagem: 10.000 hectares.

Pinus: 13.300 hectares.

Eucalipto: 3.480 hectares.

Produção de madeira p/ celulose, toras e lenha de 330 mil metros cúbicos.

Fruticultura

Maçã: 120 hectares.

Pera: 13 hectares.

Uva: 14 hectares.

Ameixa: 36 hectares.

Kiwi: 16 hectares.

Caqui: 02 hectares.


Oneris Lopes - Assess. de Imprensa da Amures