Dia 21 de junho inicia o inverno e junto com a estação mais fria do ano, a expectativa de uma grande demanda turística na Serra Catarinense. Segundo informações do Conselho de Turismo da Serra Catarinense – Conserra, em 2018 o setor cresceu 23%, diante de um quadro quase de recessão em outras áreas econômicas.

De acordo com o setor de Movimento Econômico da Amures, Urubici deu um salto de 51% no movimento de Valor Adicionado de ICMS, entre 2017 e 2018. Agregou naquele município, mais de R$ 1 milhão na movimentação econômica só com o turismo.

Setores como hotelaria, alimentação, agências de viagens e serviços de hospedagens diversas incrementaram em quase R$ 14 milhões o movimento, nos sete principais municípios com atividade turística mais consolidada. Pela ordem de crescimento constam: Urubici, Rio Rufino, Lages, Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Bom Retiro e Urupema.

E a chegada da nova estação carrega junto, a perspectiva de altas taxas de ocupação da rede hoteleira. Considerando que a Serra Catarinense possui uma rede de 221 restaurantes com capacidade de recepcionar quase 15 mil pessoas e um universo de mais de 550 meios de hospedagens entre hotéis, pousadas e alojamentos com suporte para mais de 8.200 leitos, a tendência é de um “inverno quente economicamente”, no setor turístico regional.

 

E empreendimentos como do empresário de Blumenau Élvio Presa que está construindo o Hotel Fazenda Cerro Azul na Coxilha Rica, em Capão Alto, com investimento de R$ 20 milhões, tem de a agilizar as obras de olho nesse mercado em expansão. E na mesma esteira, diversos outros micros, pequenos e médios investimentos acontecem mirando a crescente demanda turística.

Oneris Lopes - Assess. de Imprensa da Amures