Um grupo de 14 adolescentes em cumprimento de internação no Centro de Atendimento Socioeducativo (CASE) de Lages recebeu orientações para que possam se inserir no mundo do trabalho. A entrega do certificado de participação no Programa de Iniciação ao Trabalho (PIT) foi feita a 12 deles em evento acompanhado pelo Poder Judiciário. Essa proposta de capacitar os internos é do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE).

 

Ao todo, foram 60 horas/aulas com atividades relacionadas à postura profissional, comunicação no ambiente de trabalho e desenvolvimento de competências comportamentais. Quem abordou esses temas com os adolescentes foi o professor Marcelo Schmitz. Emocionado, conta como a experiência com o grupo o fez refletir. “Pensei em desistir, mas criamos uma relação de respeito e saio diferente do que entrei. Fomos além da proposta curricular. E isso certamente transformou a vida de alguns deles”.  

 

Para o juiz da Vara da Infância e Juventude da comarca de Lages, Ricardo Alexandre Fiúza, o envolvimento da sociedade e o apoio das famílias são fundamentais para que os internos percebam e mudem o comportamento. “Para nós, que fiscalizamos a aplicação das medidas socioeducativas, é importantíssimo que entidades como o CIEE sejam parceiras. Precisamos tornar compreendido que os adolescentes internos não estão no CASE para serem penalizados e sim socializados”.

 

O estudante João Carlos Lemos é jovem aprendiz e compreende a importância social de se envolver nesse processo. Ele doou três coleções e outros livros para a biblioteca do Case numa campanha organizada pelo CIEE. “Fazia muito tempo que estavam guardados a espera de uma destinação. Encontrei a chance de doar e contribuir de alguma forma”.

 

Ao contar sua trajetória profissional de mais de 35 anos na mesma empresa, o vice-presidente regional do CIEE, Edemar Santa de Liz, motivou os participantes do programa a buscarem aproveitar as oportunidades que são apresentadas. “Esta, talvez, tenha sido a primeira. Outras virão. Agarrem cada uma delas para serem ainda melhores”.      

 

Na unidade, os internos são assistidos por uma equipe técnica formada por assistentes sociais, psicólogos e pedagogos.  Eles participam de atividades de artesanato, marcenaria, jardinagem e paisagismo, agropecuária e horta, no interior da instituição. Além disso, na parte educacional têm o ensino fundamental e médio, curso de informática entre outros.

 

Taina Borges - Núcleo de Comunicação Institucional do TJSC – comarca de Lages