Um grupo de voluntários do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Lages, recolheu 4,2 mil bitucas de cigarro no centro da cidade, no último domingo, 21. A ação faz parte de um movimento internacional chamado Montanha da Vergonha, realizada pelo projeto Mundo Sem Bitucas.

Os acadêmicos Beatriz Souza, Elder Schons Junior, João Vitor Schons, Victória Varela Silva e o professor do Departamento de Agronomia, Germano Güttler, levaram cerca de duas horas para coletar as bitucas. Os alunos são bolsistas do projeto Lixo Orgânico Zero, coordenado pelo professor.

O grupo percorreu a Praça Vidal Ramos Sênior, as ruas Coronel Córdova, Presidente Nereu Ramos, Correia Pinto, Caetano Vieira da Costa e o Parque Jonas Ramos. Além da coleta, eles abordaram grupos de pessoas para divulgar o movimento.

"O intuito é mostrar à população os efeitos negativos que a ponta do cigarro traz para o meio ambiente e promover a conscientização da necessidade do descarte correto desse resíduo altamente poluidor", declara o professor.

Mundo Sem Bitucas

O projeto é um trabalho de conscientização e limpeza do espaço público referente às bitucas de cigarro, consideradas um dos principais poluentes do meio ambiente, principalmente dos oceanos, superando até mesmo o efeito poluidor das sacolas plásticas. Uma única bituca pode conter cerca de 4,7 mil substância tóxicas e é capaz de contaminar mil litros de água.

A ação é inspirada em um movimento iniciado na Espanha, em 2018, idealizado por Miquel Garau Ginard. No Brasil, foi introduzido pela administradora Natalia Zafra Goettlicher. No último domingo, 19 cidades do País adotaram a ação, incluindo Lages, além de duas cidades nos Estados, uma na Europa e outra na Oceania.

 

Assessoria de Comunicação da Udesc Lages