O desenho começou na infância através do incentivo dos pais. Coelhos e cavalos faziam parte das imagens reproduzidas por Jaison nos papeis. Aos 14 anos de idade, o artista fez um curso de luz e sombra com o icônico Clênio Souza, e em um momento entre a adolescência e os 28 anos, o artista disse ter acreditado que perdera o dom do desenho. Foi nessa idade que Jaison começou a aprender a técnica do realismo com o desenho a grafite. “Com o auxílio da internet, vendo tutoriais e baixando arquivos tive uma desenvoltura maior no meu dom. Então, conheci o trabalho do artista Charles Laveso, um dos melhores desenhistas do estilo. A arte dele tem sido parte da minha inspiração”, conta Jaison.

 

Jaison começou no estilo desenhando rostos de pessoas como os de amigos, família e celebridades, e atualmente se dedica a cultura do sul do país. Ele imagina que possa inspirar novos artistas na região, ainda que se considere um mero aprendiz nas artes. A exposição tem por objetivo mostrar a cultura e os costumes originários da região, da lida do homem do campo, mas também oferece ao público a possibilidade de ver rostos conhecidos ou não em uma profundidade quase real que o estilo apresenta.


A exposição de Jaison está aberta ao público de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h no hall da Fundação Cultural de Lages (FCL).

Serviço:
O quê?
Exposição de Jaison Lourenço: “Um Toque de Luz e Sombra”;

Onde? Fundação Cultural de Lages;

Quando? Até 31 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h;

Ingressos? Gratuitos, censura livre.

Contato do artista: (49) 9 89064613 instagram: @jaison.artes

 Texto e fotos: Fabrício Furtado