Instituto Dorvalino Comandolli

Após passar por problemas de saúde e ser desenganado por muitos médicos que lhe deram apenas 60 dias de vida, o empresário já bem sucedido, Alessander Comandolli, o Alex, viu sua vida mudar totalmente nos últimos três anos e, há dois anos e meio, por intermédio da empresa Turma da Árvore, mantém o Instituto Dorvalino Comandolli (IDC), destinado a praticar o bem às pessoas economicamente carentes.

 

Essa reviravolta na vida do empresário, quando em uma cama de hospital refletiu sobre todas as ações em sua trajetória, o fez chegar à conclusão de que sempre foi uma pessoa do bem, mas que nunca havia, efetivamente, praticado o bem em prol do outro. “O Alex Comandolli de 2016 era o empresário focado apenas em resultados, em dinheiro e não nas pessoas”, conta Alex.

Recuperado, Alex decidiu que iria fazer algo diferente para ajudar as pessoas. Foi então que surgiu a ideia de criar o Instituto Dorvalino Comandolli, em homenagem ao avô. “Minha intenção é que o IDC seja perpetuado e seja da sociedade como um todo. Para que a ideia do instituto se tornasse real, era preciso buscar uma saída foi então de criamos a Turma da Árvore”, afirma.

 

A Turma da Árvore

Com a primeira ideia para praticar o bem – tornar o IDC real – plantada, a Turma da Árvore foi criada com base em um tripé sólido: 1- atender os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU); 2- ser ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo; 3- e fazer o bem. “Idealizamos a Turma da Árvore como uma empresa de pesquisa e desenvolvimento para resolver velhos problemas com novas soluções e temos hoje 28 frutos na empresa que são essas soluções novas como, por exemplo, tornar o vidro novamente em areia, o tuc-tuc solar para coleta de lixo, as bandejas 100% sustentáveis e o desenvolvimento de projetos para plantio de árvores em áreas degradadas, como é o caso do município mineiro de Mariana”, explica Alex.

Parte dos lucros obtidos nos projetos da Turma da Árvore é destinada para manter as estruturas do IDC. “A partir de uma ideia de fazer o bem e ajudar as pessoas, surgiu um ecossistema completo de ações, através da empresa, que contribuem para melhorar o mundo e ajudar a natureza”, diz Comandolli.

 

Inspiração que veio do avô

Alex Comandolli é natural de Pato Branco (PR) e há 15 anos escolheu Lages para chamar de lar. Criado pelos avós teve uma infância bastante humilde o que não era motivo para deixar de ajudar o próximo. Viu em seu avô, Dorvalino Comandolli, o principal exemplo de generosidade e se emociona toda vez em que recorda de sua trajetória. “Lembro de ver minha avó implicando com ele por dar o pouco que tínhamos em casa, mas meu avô sempre dizia que remédio e comida não se nega a ninguém”, conta ele, com lágrimas nos olhos.

Assim, Alex mantém sua filosofia de vida, seguindo a frase que sempre ouvia do avô: fazer o bem não tem contraindicação. “Seu Dorvalino viveu por 86 anos e é um exemplo a ser seguido. Acredito que estamos no caminho certo e temos esse propósito, só sinto por meu avô não ter conseguido viver para testemunhar o que estamos construindo por sua causa, mas sei que de alguma forma ele está feliz com o que estamos fazendo”, garante.

Serviços que o IDC oferece

Com mais de 30 atividades internas que vão desde o observatório do direito da mulher que disponibiliza apoio psicológico, atendimento médico, dentista, aulas de matemática, inglês, espanhol; cursos de corte e costura, informática, cabelereiro, manicure entre outros, hoje o IDC conta com 58 profissionais, sendo a maioria de voluntários e realiza cerca de três mil atendimentos por mês, incluindo crianças, jovens, adultos e idosos. “Temos somente três colaboradores registrados no IDC, o restante da nossa equipe trabalha voluntariamente, doando o seu tempo e esse time vem crescendo a cada dia”, comenta Alex.

O IDC fornece diariamente café da manhã para pessoas em situação de rua e aos sábados mais de 300 refeições são distribuídas nos bairros carentes. Ao todo são utilizados cerca de 2.500 quilos de alimentos por mês. “Vale ressaltar que, como aprendi com o meu avô, nosso objetivo não é simplesmente ‘dar o peixe’. Ele era um assalariado, sempre dividia o que tínhamos em casa, mas além de dar um prato de comida, ensinava a pessoa a conseguir o próximo prato, e o IDC tem esse viés”, afirma. Desta forma, uma das propostas do IDC é a reinserção das pessoas em situação de rua à sociedade, através do encaminhamento para o mundo do trabalho. Para isso é fornecido todo suporte necessário como apoio médico e avaliação psicológica. Até agora o IDC já encaminhou 14 pessoas que estavam nas ruas.

 

Instituto em expansão

Focando em garantir um melhor atendimento ao público que frequenta o IDC, Alex Comandolli afirma que o mesmo mudará de local em breve. A sede, hoje situada no bairro Sagrado Coração de Jesus, será transferida para um bairro mais carente. Além disso, está prestes a abrir uma segunda unidade do IDC no bairro Bom Jesus. “Poderemos fazer muito mais estando mais perto das pessoas. 27% de todo atendimento são de moradores daquela região, então vamos facilitar o acesso deles aos nossos serviços”, diz.

Além das duas unidades em Lages, o projeto é levar o Instituto Dorvalino Comandolli para o município de Araraquara em São Paulo, Moçambique na África e em Belmonte, Portugal. “Assim como Lages em Santa Catarina, Araraquara está no centro do estado de São Paulo o que é ideal para tocar nosso projeto. Já para as outras duas unidades fora do país, estamos encaminhando para que o IDC se efetive em breve”, explica.  “O IDC está crescendo de maneira orgânica e o nosso propósito é ajudar as pessoas sem esperar nada em troca”, completa.

 

 Texto e fotos  _  Silviane Brun

  Silviane Brun