A partir da organização dos produtores, com a criação da Associação Catarinense de Truticultores (Acatruta), e especialmente pela instalação da fábrica de peixes (Belo Peixes), há quase cinco anos, em Lages, a truta passou a ser referencial na produção e no consumo na Serra. Dadas às características favoráveis à criação do peixe, pela qualidade da água cristalina, de fundos característicos com pedregulhos, e com temperaturas que raramente ultrapassam o limite de 24º C, o favorecimento à criação do peixe, só tem aumentado o potencial de produção anual. E o mais importante, o crescimento também da distribuição a outros estados, o que ressalta a valorização da carne de truta produzida dentro de rígidos padrões de qualidade.

O município de Lages, em função da indústria de processamento Belo Peixes, hoje tornou-se referência não só em Santa Catarina, mas para outros estados. Somente no Rio Grande do Sul, cerca de 30 municípios comercializam o produto, além de redes de supermercados localizadas em grandes centros do Paraná e de São Paulo. Quem produz afirma que o envolvimento com a truta, de alta qualidade, tem favorecido a imagem de Lages e de toda a Serra Catarinense, principalmente como referencial a partir da industrialização do peixe.

Atualmente, a empresa Belo Peixes está apta também para exportação. Para começar a enviar o produto para o exterior, apenas aguarda as decisões de mercado e do Governo Federal. Por outro lado, a indústria segue fomentando a produção em grande escala em meio ao círculo de produtores, agregando renda extra às famílias, e que por sua vez, seguem mantendo seus investimentos na criação. “Quanto ao consumo, há também aumento. As pessoas estão mais conscientes sobre as propriedades nutritivas da carne da truta, e o bem que a ela faz para a saúde”, ressalta o presidente da Acatruta, Hélio Antunes.