Sem internet, pai percorre 28 km de bicicleta de um estado a outro toda semana para buscar tarefas dos filhos: 'Desistir não é opção'

 

O roçador Edemilson Wielgosz pedala do sítio em Guaratuba, no litoral do Paraná, até o colégio que fica em Garuva (SC). Com salário atrasado há mais de três meses e dependendo de doações, ele sustenta três filhos sozinho.

O caminho para alcançar um objetivo é diferente de uma pessoa para outra. Em cima de uma bicicleta, o roçador Edemilson Wielgosz, de 47 anos, sabe que o trajeto é desgastante, mas não impossível.

 

Ele garante que os três filhos adolescentes não parem de estudar, mesmo sem computador, internet e morando distante do colégio. A família vive em um sítio às margens da BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná.

 

Edemilson pedala até Garuva (SC), município vizinho, todas as terças-feiras para buscar materiais e tarefas para que eles estudem em casa, durante a pandemia do novo coronavírus. O trajeto de ida e volta soma 28 km.

 

"Estou lutando para dar dignidade a eles. Falta muita coisa e o que temos é simples, mas nunca faltou carinho e empenho. Já passamos por muitas dificuldades, ainda dói, mas desistir não é uma opção. Nunca foi", disse o pai.

O roçador estudou até a 4ª série e vê, nos filhos, a chance de não deixar se repetir o passado que teve.

Ele conta que tem quatro filhos. A mais velha se casou e não mora mais com o pai e os irmãos. Com ele, ficaram Wellinton, de 16 anos, Amabili, de 14, e Nicole, de 12.

"Amabili parece que quer ser policial, Wellinton quer ser caminhoneiro, e a Nicole quer ser professora. Dá um orgulho ver eles sonhando e acreditando em um futuro melhor, né. Se Deus quiser vai dar tudo certo", afirmou o pai.

 

'Feio é não tentar'  

Morando em uma casa de madeira à beira da estrada, a família raramente consegue sinal de telefonia. Com isso, Edemilson aproveita para fazer ligações, quando precisa, no trabalho, e os filhos se arriscam caminhando pela rodovia até encontrarem algum sinal para o celular.

 

"Nasci e me criei aqui, mas é ruralzão, né? É gostoso o nosso lugarzinho, sossegado, tem um rio perto, mas tem esses problemas. Eles se arriscam pela estrada até algum restaurante ou estabelecimento para conseguir sinal", explicou o pai.

 

Conforme o pai, algumas vezes, quando a tarefa exige algum tipo de pesquisa, um dos filhos vai até a região que tem sinal de telefonia, faz capturas de tela do celular com o conteúdo e volta para terminar em casa.

 

"É arriscado, mas é o jeito. Eu mal tenho condições de colocar um prato cheio na mesa, quem dirá um computador e internet. É muito caro, eu não ia conseguir pagar nesse momento, então faço o que posso sem nem reclamar. Não é feio passar aperto, feio é não tentar mudar e fazer o melhor que pode".

 

G1