Projeto aposta na venda das publicações ilustradas para arrecadar recursos para o local. Objetivo também é mostrar trajetória dos animais até o zoológico de Pomerode.

 

O zoológico de Pomerode, no Vale do Itajaí, encontrou na educação ambiental uma forma de se aproximar das crianças e conseguir recursos para manter as atividades. Nos últimos meses, o local tem recebido menos visitantes do que o normal. As pessoas voltaram a circular pelo zoológico em junho, depois de quase três meses fechado. Mas as visitas ainda estão com limitação de público por causa da pandemia do coronavírus.

 

"O zoológico já tem 88 anos de existência e nós somos uma fundação sem fins lucrativos. Então tudo que é arrecadado na bilheteria é revertido integralmente aos cuidados e à manutenção dos animais que nós abrigamos. E que não são poucos. Hoje nós temos em torno de mil animais e 240 espécies", explicou a bióloga e educadora ambiental no Zoo Pomerode, Priscila Weber Maciel.

 

Três animais foram escolhidos para virarem personagens de livros infantis. A coleção se chama "Novo lar" porque as histórias contam como cada um dos animais foi parar no zoológico. O urso Bob vivia em um circo até ser resgatado e o leitor vai descobrir como foi desafiador para ele ter mais espaço e receber cuidados. As elefantas também vieram do circo, onde ficaram por 40 anos.

 

 

 

 

Arrecadação

 

O projeto de educação ambiental aposta na venda dos livros para arrecadar recursos e, claro, para levar até as crianças as histórias dos animais do zoo.

"A ideia do 'Novo lar' surgiu por profissionais da comunicação aqui da nossa região, que conheciam o zoo, que sabiam da idoneidade do trabalho desenvolvido lá e sabiam também que 97% da arrecadação pra manutenção do parque vem da venda de ingressos", afirmou a idealizadora do projeto, Marina Melz.

 

Pinguim do zoológico de Pomerode é personagem de livro infantil.

 

 

Por causa das dificuldades financeiras, o zoológico de Pomerode também precisou parar obras de ampliação da estrutura, projetos de sustentabilidade, além de outras melhorias. Mas um dos maiores impactos é na área da educação. Atividades de educação ambiental e visitas de escolas estão suspensas para evitar aglomeração.

"E a ideia é que, quando os pais se sentirem confortáveis, eles possam levar as crianças até o zoo e aí elas vão conhecer na vida real os animais que elas conhecem através da história", finalizou Marina.

 

NSC TOTAL