Foi no ano de 2019 que o Grupo Garr?o de Potro Brasil Festivais Internacionais expandiu seus horizontes. O primeiro passo foi a filiação ao Conselho Internacional de Organizadores de Festivais Folclóricos – CIOFF -  órgão vinculado a Unesco. A partir desta filiação os convites para participar dos melhores festivais do mundo não pararam de chegar. Além disso, fazer parte do CIOFF, fez com que o Garrão de Potro entrasse para o rol dos grandes grupos de folclore de todo país como Os Gaúchos/RS, Aruanda/MG, Acau? da Serra/PB, entre outros.

 

Mas nem tudo é assim fácil no caminho do grupo e para estar em eventos de maior renome, levando o nome do Brasil para grandes festivais mundiais, é preciso ampliar o leque de danças apresentadas. “Os maiores festivais pedem um quadro de danças populares brasileiras e não apenas regionais”, contam os diretores Anderson Pereira e Karine Souza. “Foi por esse motivo que contratamos Stefanio Vieira, coreógrafo renomado nacionalmente com vasto curriculum artístico e com conhecimento em danças populares, não somente do Brasil, mas do mundo”, explica Anderson.

 

“Stefanio é pernambucano de nascimento e reside há muitos anos no Rio de Janeiro, tendo inúmeros trabalhos incluindo coreografias em novelas nacionais e grandes eventos da cultura brasileira”, conta Karine. “Ele virá no final de novembro realizar um workshop de quatro dias para o grupo com a finalidade de ensino e montagem do QUADRO BRASIL com ritmos como o carimbó, xaxado, côco, catira e o samba”, conclui.

 

Anderson e Karine ressaltam que o encontro será realizado com os devidos cuidados e restrições, seguindo os decretos tanto municipais como estaduais estabelecidos devido a pandemia causada pela Covid-19.

 

Após essa atualização o Grupo Garr?o de Potro, mesmo tendo em seu carro chefe as danças campesinas do Sul do Brasil, apresentará a partir de 2021 em suas aventuras, um vasto e rico repertório mundo afora. “Nosso objetivo será sempre levar o nome de Lages e de Santa Catarina de forma pioneira a todos os lugares por onde passarmos, pois somos a única companhia de dança no estado que hoje participa de eventos continentais e mundiais, firmando também a cultura e folclore populares, ou seja, do povo para o povo”, ressalta Anderson.

 

Na agenda do Grupo Garrão de Potro para 2021 já estão os convites do grande Fefolk de Campina Grande, na Paraíba, evento em paralelo com a maior festa junina do Brasil. Segundo Karine é a primeira vez que um grupo catarinense se apresentará neste evento.  “Estaremos no Fefolk no mês de julho e em setembro acontecerá nosso retorno à Paris para mais um festival da Associação Sol do Sul. Sendo que para 2022, já existe um pré-convite para nosso retorno a Portugal”.

 

O futuro reserva para o grupo muitos outros festivais, pois o Diretor Anderson além de estar vinculado ao Cioff, também é diretor seccional da Rede de Diretores De Folclore Latinoamericanos, a Redafol, que conta hoje com 187 filiados de todos os países americanos e que modula festivais na América Latina.

Outra novidade é a reconstituição de uma dança catarinense do litoral norte e que passará a ser apresentada como resgate folclórico de pesquisa feita in loco. Chama-se Dança do Vilão e faz parte de uma das linhas de trabalho do grupo que é buscar e pesquisar a origem das danças folclóricas de Santa Catarina ou que foram bailadas aqui no nosso Estado.

 

Os diretores Karine e Anderson deixam o convite para que todos sigam as redes sociais do grupo no Instagram, Facebook e agora também no Youtube, onde será mostrado a partir de novembro entrevistas com seus integrantes e além dos bastidores da pesquisa da dança catarinense e da vinda do coreógrafo do quadro Brasil. É a arte e a cultura serrana e catarinense em pleno movimento!