O percurso para se chegar à educação inclusiva passou pelo extermínio e pela segregação, permanecendo um tema instável até os dias de hoje. Felizmente, no Brasil, ocorreram avanços significativos na legislação e na política educacional das últimas décadas. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, por exemplo, prevê o atendimento educacional especializado às pessoas com deficiência, de forma preferencial, no sistema regular.

     Entretanto, uma nova política presidencial assinada recentemente incentiva a (re)segregação de crianças com deficiências e transtornos globais do desenvolvimento. Um decreto desses, depois de finalmente termos alcançado espaço para o aluno especial nas escolas regulares, é como regredir. Essas crianças e adolescentes precisam ser parte do meio escolar e não ter escolas adaptadas para recebê-las

       Nós já temos uma escola com regimento e preparo pedagógico capaz de incluir o aluno com deficiência. Mesmo em casos mais severos, que precisem de adaptações extras, o Plano Educacional Individualizado (PEI) é responsável por planejar e acompanhar o desenvolvimento desses estudantes por meio de salas de aula com recursos multifuncionais, atendimento educacional especializado e a presença de um profissional com formação adequada.

      Ainda não vivemos numa realidade ideal devido aos entraves de recursos financeiros e barreiras na formação de professore, porém o que deveria acontecer é um investimento na capacitação profissional e na infraestrutura escolar, para que os alunos com deficiência também sejam incluídos nesse meio. Quando analisamos o decreto, observamos a falta de interesse público em focar no que realmente é necessário, preferindo ir pelo caminho mais fácil da criação de salas especificas e escolas segregadoras.

 

       Diante deste cenário, eu me pergunto: Como fica a questão da socialização e integração dos alunos com deficiência? Como essas crianças e adolescentes vão dar conta de uma vida adulta se não são incluídos nem na base da sociedade? Como as pessoas de modo geral vão aprender a conviver com indivíduos com deficiência se eles talvez não estejam mais na escola regular?

      Quando vemos tantos especialistas na área da educação inclusiva falando a mesma coisa, não é possível que todos nós estejamos errados. Pessoas com deficiência fazem parte da sociedade e precisamos integrá-las em todas as fases da vida. Só assim poderemos oferecer um futuro pleno e realizado, desde o âmbito pessoal até o profissional, a todos.

 

*Ana Regina Caminha Braga é psicopedagoga mestre em Educação e especialista em Gestão Escolar e Educação Inclusiva.